Matéria e suas Transformações – Lei de Thompson

O Modelo Atômico de Thompson, juntamente com o modelo de outros cientistas, introduziu e provou a existência das sub-partículas que formam os átomos: os prótons e os elétrons.

Os elétrons já vem sendo alvo de estudo desde a Grécia Antiga em experimentos ministrados por Tales de Mileto, onde foi estudada a polarização de materiais que sofriam atrito.

Os experimentos mais comuns para a demonstração da existência dos elétrons foram os que realizaram descargas elétricas em gases. Alguns experimentos serão mostrados a seguir.

1) Experimento de Geissler

Em 1854, Henrich Geissler desenvolveu um tubo de vidro espesso, fechado e com eletrodos em suas extremidades. Ele notou que, com o gás a baixa pressão, ao ser gerada uma descarga elétrica, esta deixava de ser barulhenta, sendo produzida uma luz em seu interior, variando sua cor com o gás e voltagem utilizados. Esse é o mesmo princípio utilizado em lâmpadas de neón e fluorescentes.

Sem título

“Foto retirada do livro: “Química Geral – Volume 1″ – Ricardo Feltre”

2) Experimentos de William Crookes

Crookes desenvolveu ampolas de vidro com gases rarefeitos, ou seja, a baixíssimas pressões, aplicando altíssimas voltagens em suas extremidades. Foram desenvolvidas emissões, denominadas raios catódicos.

Quando criado um campo elétrico uniforme, gerado por duas placas carregadas, paralelas e externas à ampola de vidro, o raio catódico é desviado para a placa carregadas positivamente, demonstrando a natureza negativa do raio.

 

Sem título.png

“Foto retirada do livro: “Química Geral – Volume 1″ – Ricardo Feltre”

Foi então entendido que TODOS os gases são formados por pequenos partículas negativas, denominadas elétrons. Essa teoria desmente a parte da teoria de Dalton que afirmava que o átomo era a menor partícula que existe e que não poderia ser dividido.

3) Experimentos de Goldstein

Gosdstein, em seu experimento, percebeu que quando os elétrons de um átomo eram arrancados dos átomos, um raio remanescente era formado em direção ao pólo negativo do campo elétrico externo, imaginando-se que o átomo seria formado também por sub-partículas positivas, os chamados prótons.

4) Modelo de Thompson

Explicando os experimentos anteriores, Thompson criou em 1903 um novo modelo atômico. Ele afirmava que o átomo era formado por uma parte negativa (elétrons) e por uma parte positiva (prótons), sendo que eles mantinham a carga elétrica no átomo neutra.

Para que a carga do átomo se mantenha neutra, devemos ter:

Número de elétrons = Número de prótons

Valor da carga do elétron = Valor da carga do Próton

O modelo atômico de Thompson também explica os seguintes fenômenos que eram notados nos experimentos:

  • Descargas elétrica em cargas;
  • Formação dos íons;
  • Corrente elétrica;
  • Retirada dos elétrons por atrito

 

Sem título

Modelo do átomo de Thompson

O que acharam do nosso estudo da evolução dos Modelos Atômicos? Não se esqueçam de enviar suas dúvidas por e-mail ou pela página do Facebook (link).

Grande abraço, pessoal!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s